AS RAPARIGAS ESQUECIDAS | BOOK REVIEW

Alguma vez encontraram um livro que vos cativou apenas pelo nome? Nunca ouviram falar da história, nem do autor, mas o título chama por voc...

Alguma vez encontraram um livro que vos cativou apenas pelo nome? Nunca ouviram falar da história, nem do autor, mas o título chama por vocês quando passam os olhos no expositor. Foi precisamente isto que me aconteceu com As Raparigas Esquecidas, da dinamarquesa Sara Blaedel.


Lançado em junho de 2016, o livro da "rainha dinamarquesa do thriller", como é aclamada pelos seus conterrâneos e pela imprensa, é protagonizado por Louise Rick, agente da polícia e chefe do recém criado Departamento de Pessoas Desaparecidas. A história passa-se na Dinamarca e começa quando o corpo de uma mulher é encontrado numa floresta, a vítima tem uma cicatriz peculiar no rosto e, por isso, a sua identificação deveria ser fácil, contudo, não há registos acerca desta mulher nem mesmo um alerta de desaparecimento.

No auge do desespero, e tentando ao máximo que não arquivassem o caso, dado que não haviam dados acerca da vítima, Louise resolve partilhar uma foto dela e é aí que começam a surgir resultados. Quem lhe liga é Agnete Eskildsen, que reconhece a mulher da fotografia como sendo Lisemette, uma das "raparigas esquecidas" de Eliselund - uma antiga instituição estatal para doentes mentais onde Agnete trabalhara anos antes.

Louise Rick vai então em busca de mais informações na instituição, acabando por descobrir segredos terríveis e um tanto quanto perturbadores. Enquanto isso, a detetive tem ainda que lidar com outros crimes que são cometidos na floresta, com problemas e pessoas do seu passado e com o seu novo colega de trabalho, que parece ter um problema com a bebida e com a pontualidade.

Confesso que, embora As Raparigas Esquecidas seja um bom livro, e esse mérito ninguém lho tira, não me encheu as medidas. Acredito que esta era uma obra com potencial para muito mais, mas talvez isso também se deva às altas expectativas que tinha. Não deixa, é claro, de ser um livro que vale a pena a leitura e que podem e devem acrescentar às vossas to-read list.

Além disso, este é o livro mais aclamado da autora, tendo inclusive ganho o Gyldne Laurbaer, o mais importante prémio literário da Dinamarca, o que também diz muito do seu valor enquanto obra. Ainda que não tenha sido aquilo que eu esperava, é um livro bem escrito, com boas personagens e Louise, em especial, apresenta uma densidade fantástica e impressionável. Um livro bom, indicado para fãs de thriller e suspense, mas que tinha potencial para ser um livro ótimo.

You Might Also Like

5 comentários

  1. Respostas
    1. Encontrei-o mesmo por acaso numa estante do Pingo Doce ahahah obrigada pela visita e pelo comentário!

      Um beijinho!

      Eliminar
  2. Sou uma pessoa que não gosta muito de ler mas quero começar a gostar pois penso que faz muito bem à mente.Recomenda-me como um bom começo ?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá! Fico muito contente por querer começar a gostar de ler (e mais contente ainda por ter confiado em mim para lhe recomendar um livro inicial!).

      Para quem está a começar, não acho que As Raparigas Esquecidas seja o ideal, principalmente por ser um livro extenso, em que pode facilmente perder o interesse. Recomendo-lhe algo mais simples e mais leve, como A Rapariga no Comboio, também do mesmo género.

      Obrigada pela visita e pelo comentário! Disponha sempre!

      Beijinhos!

      Eliminar
    2. Obrigada pela recomendação pois já vi o filme e gostei muito.Vou seguir o seu concelho.Muito obrigada !!!

      Eliminar

O teu comentário é bastante importante para o crescimento do Bookaholic e para que eu saiba o que achas dos conteúdos e o que posso melhorar.

Por favor, deixa também o link do teu blogue quando fizeres um comentário, de maneira a que eu possa também visitá-lo. Não te esqueças também de preencher a opção 'Notificar-me', para que possas saber assim que eu responder.

Muito obrigada pela tua vista!